Sexta-feira, 30 de Julho de 2010

HOJE...ONTEM...AMANHÃ...

 

Um dia atrás do outro, sempre o mesmo, é aqui que me encontro comigo e com os outros...uma vidinha monótona rotineira igual a tantas outras...a minha a tua a do outro e de mais outro qualquer, escrevo sem nexo sem nada predefinido, apenas ne apeteceu escrever, acaba por ser uma espécie de desabafo um soltar de lingua virtual, aqui onde quase ninguem me conhece, onde muito poucos ou mesmo nenhuns irão ler estas palavritas muito mal amanhadas, eu sei, tenho consciência disso, posso dizer as baboseiras e tolices que me povoam a mente, a tristeza por momentos que vivi e deixei passar, mas vivi isso é que importa...as saudades que sinto de lugares, dos cheiros da minha infância, de pessoas que cruzaram o meu caminho, umas que se quederam a meu lado mais tempo outras de passagem tão fugaz, lamento não me ter detido mais tempo a seu lado. não ter arriscado mais...alegro-me com tantas outras coisas a familia principalmente que vai crescendo, os amigos...poucos é verdade eu que já me considerei a pessoa mais afortunada do mundo tive "montes" de amigos, afinal eram apenas conhecidos ou nem isso, foram-se quando mais precisei, mas cada um tem a sua própria vidinha, ninguém tem tempo a perder, a roda da vida rola demasiado depressa, para nos determos com os problemas dos outros, problemas ou simplesmente angústias, cada um resolve os seus da maneira que melhor pode e afinal o tempo tão precioso não se detem nunca não pára...

 

e um dia paramos a olhar o infinito como fiz hoje, sentada numa rocha a beira mar, onde as ondas teimavam em me acordar de tempos a tempos, pensei, relembrei, revivi sentimentos, loucuras, momentos maravilhosos outros nem tanto, vi passar imagens de vivências passadas, desejei saber de pessoas que não vejo há imenso tempo de quem nada sei, sinto-me impotente perante tudo, só consigo deixar que os dias se sigam uns atrás dos outros não posso fazer mais nada...de ti que vieste me prometeste o paraiso e um dia desapareceste sem nada dizer, que situação mais estranha acredita não consigo entender o que nos aconteceu, quando nos conhecemos acreditei em tudo que tudo era verdade, o sonho que sonhei, quero continuar a creditar só preciso de saber alguma coisa, que me tire desta espécie de angústia que sinto...há pouco depois de muito tempo disseste apenas boa noite amor...e depois o silêncio, de novo este angustiante silêncio...quero continuar a acreditar quando todos me dizem que és uma mentira, mas o meu coração não se pode ter enganado assim e um dia ainda me vais dizer o porquê do silêncio da ausência...eu contento-me com tão pouco tu sabes...

 

Que ridicula pensarão...mais uma tola de meia idade perdida na vida e no tempo...pois sim serei isso mesmo...uma mulher de meia idade perdida em pensamentos meio desorganizados, mas acima de tudo MULHER igual a tantas outras.

 

Afinal este cantinho é mesmo de Devaneiosmeus...

 

Sinto-me a vaguear ao sabor das ondas com o sol a bater no rosto num vazio imenso...mas ao mesmo tempo sinto-me muito bem afinal o mar entende-me perfeitamente, doideiras minhas, a eterna sonhadora...

 

Ana



publicado por devaneiosmeus às 23:01
mais sobre mim
Julho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
31


arquivos
2010

2009

2008

2007

2006

pesquisar neste blog
 
blogs SAPO